Política

Maia critica criação de novos impostos e diz que mantém teto de gastos até fevereiro

Para Maia, no momento de pós-pandemia haverá uma "brutal pressão para desfazer o teto de gastos"

[Maia critica criação de novos impostos e diz que mantém teto de gastos até fevereiro]
Foto : Maryanna Oliveira / Câmara dos Deputados

Por Luciana Freire no dia 30 de Julho de 2020 ⋅ 17:20

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu hoje (30) a manutenção do teto de gastos até fevereiro de 2021. Para Maia, no momento de pós-pandemia haverá uma "brutal pressão para desfazer o teto de gastos" e viabilizar propostas como a renda básica permanente e a desoneração da folha de pagamento. Maia ainda chamou de “jeitinho” a criação de um novo imposto para bancar a desoneração das folhas de pagamento das empresas.

"A Câmara dos deputados não vai votar nenhuma flexibilização do teto de gastos até 1º de fevereiro", disse Maia em videoconferência com empresários do setor industrial promovido pelo jornal Folha de S. Paulo.

Na semana passada, o ministro da Economia, Paulo Guedes, entregou a primeira fase da proposta de reforma tributária do governo a Rodrigo Maia e ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que trata da unificação do PIS e Cofins.

Apesar de elogiar a iniciativa, Maia voltou a dizer que é "radicalmente contra" a criação de novos impostos para compensar a perda de arrecadação com a desoneração da folha de pagamentos. 

Notícias relacionadas