Política

Crítico de servidores 'parasitas', Guedes ganha R$ 8,2 mil de auxílios para comer e morar

Entre os 22 ministros, ao menos cinco deles não recebem auxílio para alimentação e outros 11 não ganham o de moradia

[Crítico de servidores 'parasitas', Guedes ganha R$ 8,2 mil de auxílios para comer e morar]
Foto : Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Por Juliana Almirante no dia 14 de Fevereiro de 2020 ⋅ 07:00

Apesar de já ter chamado os servidores públicos de “parasitas”, o ministro da Economia, Paulo Guedes, não abre mão de receber benefícios dos cofres públicos, de acordo com a coluna Painel, da Folha, publicada hoje (14). 

Com salário de R$ 30,9 mil, Guedes ainda ganha R$ 7.733 por mês de auxílio-moradia, o teto permitido por lei.

As passagens para ir de Brasília ao Rio de Janeiro, onde tem moradia fixa, também são custeadas pelos cofres públicos. 

Até julho do ano passado, Guedes recebia ainda diárias, que custaram ao todo R$ 7.501, para estar na cidade onde mora, inclusive em datas onde não havia compromisso na agenda. 

Entre as 60 viagens bancadas com dinheiro público em 2019, 38 delas foram a partir das quintas-feiras e tinham como destino o Rio. 

O ministro ainda tem aporte mensal de R$ 458 para auxílio-alimentação.

A consulta ao Portal da Transparência mostra que, dos 22 ministros, ao menos cinco deles não recebem auxílio para alimentação e outros 11 não ganham o de moradia.

Outro lado

O Ministério da Economia afirma que os auxílios estão previstos em lei e justificou que Guedes não tem imóvel próprio em Brasília. 

Notícias relacionadas

[Reforma administrativa está pronta, diz Bolsonaro]
Política

Reforma administrativa está pronta, diz Bolsonaro

Por Luciana Freire no dia 22 de Fevereiro de 2020 ⋅ 18:00 em Política

Em entrevista à equipe de televisão, no Guarujá, onde passa o carnaval, Bolsonaro afirmou que o texto será entregue após o carnaval

[Bolsonaro anuncia demissão de toda a diretoria do Inmetro]
Política

Bolsonaro anuncia demissão de toda a diretoria do Inmetro

Por Luciana Freire no dia 22 de Fevereiro de 2020 ⋅ 16:00 em Política

“Implodi o Inmetro. Implodi. Mandei todo mundo embora”, afirmou o presidente na porta de um supermercado no Guarujá, onde passa o feriado de carnaval