Justiça

Aras diz que Lava Jato em Curitiba guarda dados de 38 mil pessoas

"Não se pode imaginar que uma unidade institucional se faça com segredos, com caixas de segredos", disse o procurador-geral da República

[Aras diz que Lava Jato em Curitiba guarda dados de 38 mil pessoas]
Foto : Antonio Augusto / Secom / PGR

Por Juliana Rodrigues no dia 29 de Julho de 2020 ⋅ 10:00

O procurador-geral da República Augusto Aras, disse ontem (28) que a força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba tem armazenadas informações sobre 38 mil pessoas, que correspondem a um volume de dados maior do que todo o sistema único do Ministério Público Federal. A declaração foi dada em entrevista ao grupo de advogados Prerrogativas.

Segundo Aras, o arquivo do grupo de procuradores de Curitiba tem 350 terabytes, enquanto o do sistema do MPF conta com 40 terabytes. Um terabyte equivale a mil gigabytes e pode armazenar mais de 6 milhões de páginas de documentos.

"Não se pode imaginar que uma unidade institucional se faça com segredos, com caixas de segredos", ponderou. "Todo o MPF, em seu Sistema Único, tem 40 terabytes. A força-tarefa da Lava Jato em Curitiba tem 350 terabytes e 38 mil pessoas com seus dados depositados [nele]. Ninguém sabe como [esses nomes] foram escolhidos, quais foram os critérios", prosseguiu.De acordo com Aras, 50 mil documentos estão "invisíveis à corregedoria-geral" do MPF.

O procurador ainda criticou a força-tarefa da Lava Jato em São Paulo. Segundo ele, a equipe paulista construiu "uma metodologia de distribuição [de processos] personalizada em que membros escolhem os processos que querem".

Notícias relacionadas