Editorial

Novo chefe da Fundação Palmares é prova que Brasil está 'no fundo do poço', diz MK; ouça

"Há um movimento nítido de endurecimento do governo, e isso começa a abalar as estruturas democráticas", afirmou, em comentário na Rádio Metrópole

[Novo chefe da Fundação Palmares é prova que Brasil está 'no fundo do poço', diz MK; ouça]
Foto : Tácio Moreira / Metropress

Por Metro1 no dia 28 de Novembro de 2019 ⋅ 08:43

A escalada conservadora e antidemocrática do governo de Jair Bolsonaro foi o assunto do comentário de Mário Kertész, hoje (28) na Rádio Metrópole. MK voltou a se dizer "profundamente decepcionado" com o Brasil, em especial após a nomeação do novo presidente da Fundação Cultural Palmares, o militante de direita Sérgio Nascimento de Camargo, que nega a existência do racismo no país e defende o fim do movimento negro. Após ler no ar a reportagem do jornal O Globo sobre os posicionamentos de Camargo, ele reagiu de forma enérgica e avaliou que "estamos no fundo do poço".

"Ele diz que não tem racismo, pediu o fim do movimento negro, quer dizer... Um negro abre a boca pra dizer isso! Eu queria saber se a população negra do Brasil concorda que o racismo daqui é 'Nutella'. Isso tudo pra quê? Para puxar o saco, para se manter nas tetas do governo, para agradar uma parte da população que acredita nisso? (...) Eu confesso a vocês que isso me dá um desânimo. E eu não posso deixar de sentir a comparação com a Alemanha nazista, com a Itália de Mussolini, com o Chile de Pinochet e outras coisas! (...) Não é possível que no ano de 2019, século XXI, o Brasil vá contra todo o mundo, contra a maré do mundo, que mesmo um estrupício como [o presidente dos Estados Unidos] Donald Trump não teria coragem de chegar a tanto. Ontem essa coisa me abalou profundamente. Fiquei sem saber o que fazer. O que não quer dizer que eu ache que a gente deve desistir, entregar os pontos, facilitar o trabalho dessas pessoas que estão aí tentando levar o Brasil para a derrota. Eu não defendo isso. Vou continuar, mas confesso que estou profundamente desanimado e vendo que isso é apenas o começo. Agora, há um movimento nítido e mais claro de endurecimento do governo, e isso começa a abalar as estruturas democráticas", analisou.

MK ainda respondeu a um comentário durante a transmissão do Bom Dia com Mário Kertész ao vivo no YouTube, onde um internauta disse que o âncora estaria "sentindo falta" do ex-presidente Lula. "Não estou sentindo falta de ninguém. Eu sinto falta da democracia, da liberdade, do direito, de as pessoas combaterem o machismo, a homofobia e o racismo! Nós somos um país racista! Racismo Nutella uma ova! (...) E esse Congresso Nacional parecendo um monte de banana, reage como frouxos a tudo isso! Foi assim mesmo que aconteceu na Alemanha nazista! Cadê o Congresso? Cadê a reação? Cadê a representação desse povo brasileiro? (...) É assim que esses movimentos nazifascistas se estabelecem, vão, vão, e quando você vê já era. (...) Hoje não tem uma oposição no Brasil. Temos uma oposição frouxa!", exclamou.

Ouça o comentário completo:

Notícias relacionadas